Tocantins tem mais de 80 mil jovens desocupados que não trabalham e não estudam

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estima que 81 mil jovens tocantinenses entre 15 e 29 anos de idade não estavam estudando nem inseridos no mercado de trabalho em 2022, o que equivale a 19,5% das pessoas deste grupo etário. Na comparação com 2021, no qual 102 mil jovens (26,6%) estavam nesta condição, a redução foi de 20,5%. Essas informações fazem parte da Síntese de Indicadores Sociais (SIS) divulgada nesta quarta-feira, 6, pelo IBGE.

Com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2022, o estudo também detalha o percentual de jovens que só estavam ocupados, só estudavam ou estudavam e estavam ocupados no período de referência. No Tocantins, os percentuais ficaram em 40,8%, 27,2% e 12,6%, respectivamente.

Seguindo a tendência nacional, de 2021 para 2022, o percentual de tocantinenses ocupados com vínculo empregatício recuou de 39,7% para 38,3%. Por outro lado, no período, a participação dos trabalhadores sem carteira de trabalho assinada e de trabalhadores por conta própria subiu de 52,9% para 56,6%. Dessa forma, a diferença na participação entre essas duas categorias de ocupação chegou a 18,3 pontos percentuais (p.p.).


Em 2022, 53,3% dos trabalhadores do Tocantins estavam em ocupações informais. Para as pessoas pretas ou pardas (55,6%) essa proporção estava acima da média. Na comparação com 2021 (52,5%), a taxa de informalidade do estado aumentou.

RENDIMENTO

Em 2022, a população ocupada de cor ou raça branca (R$3.579) ganhava, em média, 75% mais do que as de cor ou raça preta ou parda (R$ 2.040). Já os homens (R$2.581) recebiam 27% mais que as mulheres (R$2.031). Porém, o rendimento médio das mulheres brancas (R$ 2.735) superava o dos homens pretos ou pardos (R$2.164).

Leia também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais