Nova ferramenta de inteligência é desenvolvida para auxiliar agentes da SSP-TO

O Governo do Tocantins, por meio da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/TO), desenvolveu mais uma ferramenta de inteligência, que irá permitir aos agentes da segurança do Estado saber em quais cidades e locais existem desordens que possam colaborar para a prática criminosa. O lançamento do aplicativo Lince ocorreu nesta quinta-feira, 8, no Palácio Araguaia Governador José Wilson Siqueira Campos, com a presença do governador Wanderlei Barbosa. 

O aplicativo Lince foi desenvolvido pela Superintendência da Segurança Integrada da SSP/TO e usará de geolocalização, por meio do GPS dos smartphones, para fazer o mapeamento dessas áreas. 

A primeira versão do aplicativo estará disponível apenas para os agentes da Polícia Civil, mas o objetivo é que a ferramenta seja usada por todos os agentes de segurança, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Guardas Municipais. O intuito é fortalecer e integrar as forças policiais, potencializando as estratégias e políticas públicas para o combate à criminalidade.

O governador Wanderlei Barbosa assistiu atentamente à apresentação do aplicativo Lince e, em seu pronunciamento, parabenizou a iniciativa. “É uma importante ferramenta desenvolvida pelo corpo técnico da Secretaria de Estado da Segurança Pública e que, certamente, coloca o Tocantins em um patamar mais alto, quando o assunto é promover mais segurança a nossa população”, destacou.

O secretário de Estado da Segurança Pública, Wlademir Mota Oliveira, reforçou que o aplicativo vai ajudar a direcionar as ações dos órgãos de segurança para uma atuação mais eficiente. “A partir dos dados coletados, nós poderemos desenvolver ações com uma abordagem mais direcionada para a necessidade daquela localidade, seja com direcionamento de efetivo por meio de ações repressivas, destinação dos recursos, monitoramento dentre outras ações. O objetivo principal é coibir a prática criminosa em todos os seus níveis”, salientou.  

O escrivão de polícia e desenvolvedor do aplicativo, Rodrigo Barbosa, explicou que os locais que apresentam algum tipo de desordem têm maiores chances de serem usados para a prática de crimes. “As desordens podem ser entendidas como uma rua com mato muito alto e sem iluminação, casas abandonadas, por exemplo, pichações que identificam o território de determinada facção criminosa, entre outras situações que possam dar a impressão de que o poder público não está atuando naquele local e que, por isso, as pessoas podem fazer o que quiserem, inclusive praticar crimes”, pontuou.

Para ter acesso ao aplicativo, os operadores de segurança pública devem entrar em contato com a Superintendência da Segurança Integrada.

Presenças 

O evento também contou com a presença de deputados, senadores, prefeitos, vereadores, secretários de Estado e presidentes de autarquias, bem como servidores da Pasta.

Leia também

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais